Entrevista de Jon Gruden para o Site Oficial do Carolina Panthers.

0

O site oficial do Panthers (www.panthers.com) realizou uma entrevista com Jon Gruden, ex Head Coach dos Bucs, que conquistou o Super Bowl XXXVII com a equipe, em Janeiro de 2003. Jon atualmente exerce a função de comentarista oficial no Monday Night Football. O Panthers Brasil traduz essa entrevista pra você, no intuito de mostrar o pensamento de um comentarista/ex head coach acerca da atual metamorfose em que equipe se encontra. Destaque para a maneira que Gruden analisa a atual situação de Cam Newton, levando em consideração aspectos praticamente ignorados pelos blogs e comentaristas brasileiros.

CHARLOTTE – Head coach Ron Rivera is a big fan of Monday Night Football commentator Jon Gruden.

When the Panthers play on Monday night, part of Rivera’s review of the game involves listening to Gruden’s insightful remarks.

“He’s a junkie. He loves everything about football,” Rivera said. “I love to listen to guys like him, because they’re going to tell you something you may miss or something you didn’t think about.”

After the ESPN broadcast crew finished their production meetings with players and coaches at Bank of America Stadium on Saturday, Panthers.com sat down with Gruden to discuss a number of topics ahead of Carolina’s matchup against Miami.

On Cam Newton in 2017: “Not only did he miss a lot of training camp, he missed a lot of practice time during the season, and that’s not a recipe for success. I think a lot of the ups and downs they’ve had are a direct result of that. Lack of timing, lack of execution. Then you take Greg Olsen out of the mix, and I mean, that guy does it all. Then you lose your center (Ryan Kalil), and you’ve got rookies playing big parts in your offense. So the ups and downs are understandable, honestly.

“But Cam looks like he’s on his way back, with those 2015 bells ringing again.”

On the Kelvin Benjamin trade: “I think it’s understandable. You had two guys that were very similar in the way they play. You want guys that are different. You want quickness and speed on the field – and that’s not Benjamin or Funchess. Benjamin had his moments and he had times where he struggled. They see something in Curtis Samuel and they want to get that second-round pick on the field.”

On Christian McCaffrey: “I know a lot about him because I know where he came from. (Stanford head coach) David Shaw is one of my really good friends. Christian is like that movie “The Natural.” With a great player, you show him what to do and he does it the first time perfectly, and he does it at full speed. He’s just got a natural style. He’s extremely talented. He’s got that passion to be great. I think we’re going to see this guy go off in the second half – I’ve got a feeling.”

On Carolina’s run game: “They’re going to have to block better. It’s not all about Stewart and McCaffrey. This is a gap-and-trap offense that can smash you. Trai Turner is a Pro Bowl guard. They’ve got to see if Tyler Larsen can take it to another level. Can Matt Kalilreach another level? Is Daryl Williams the real deal? And they miss Olsen here. I think they miss him big time.”

On Julius Peppers: “I walked in here today and I saw Peppers and almost threw up. I had to go in the bathroom. I’ve got memories coaching against him. We tried to chip him, we tried to nudge him with tight ends. Then he’d go line up over the guard. Next play he’d be on the other side. Pretty soon I thought there were two Peppers. I was head coach for 11 years. The guy that sacked my quarterbacks the most was Peppers.

“When (former Panthers head coach John) Fox took him with the second pick I was mad for three weeks … But what I love about it is he’s back where it started. They loved him in Green Bay and in Chicago and they love him here. I asked the players. And it would be cool if they could deliver a championship for him.”

On Carolina’s defense: “When we won our championship we had a great defense. We had the steam up front, which they do here. They can rush the passer. And they’ve got a hell of a scheme. (Defensive coordinator) Steve Wilks has done a nice job. And they’ve got these guys nobody even talks about.

“This kid Shaq Thompson? He’s a joker. He’s a nickel, he’s a linebacker. I don’t know what the heck he is. Nobody even talks about him. He’s a hell of a player. And they got some guy named Mario Addison. You’ve got to put him in the discussion for the Pro Bowl.

“But the whole group plays with such great effort and such great energy. So many blue-chip veteran players. They have tremendous pride. They make more high-profile effort plays than anybody. They lead the league in effort. I care about that stuff. When I’m in my dark room in Tampa and I’m watching the Panthers, I get excited. Man, I’m yelling at myself, ‘Damn! Wow! Woo!’ You know?”

 

TRADUÇÃO

Charlotte – O treinador Ron Rivera é um grande fã do comentarista do Monday Night Football Jon Gruden.

Quando os Panthers jogam na segunda-feira à noite, parte da revisão do jogo de Rivera envolve escutar as observações perspicazes de Gruden

“Ele é um viciado. Ele ama tudo sobre o futebol”, disse Rivera. “Eu adoro ouvir caras como ele, porque eles vão te contar algo que você pode ter deixado passar ou algo sobre o qual você não pensou”.

Depois que a equipe de transmissão da ESPN finalizou suas reuniões de produção com jogadores e treinadores no Bank of America Stadium no sábado, o Panthers.com se sentou com a Gruden para discutir uma série de tópicos antes do confronto de Carolina contra Miami.

Sobre Cam Newton em 2017: “Não perdeu apenas a maior parte do trainig camp, ele perdeu muito tempo de prática (treino) durante a temporada, e essa não é uma receita para o sucesso. Acredito que muito dos altos e baixos que eles tiveram são um resultado direto disso. Falta de tempo, falta de execução. Então você tira Greg Olsen da mistura, e quero dizer, esse cara faz tudo. Então você perde seu Center (Ryan Kalil), e você tem rookies jogando em grande parte do seu ataque. Então, os altos e baixos são compreensíveis, honestamente.

“Mas Cam parece estar de volta, com aqueles sinos de 2015 tocando novamente”.

Sobre a troca de Kelvin Benjamin: “Eu acho que é compreensível. Você tinha dois caras que eram muito semelhantes na forma de jogar. Você quer caras diferentes. Você quer rapidez e velocidade no campo – e isso não é Benjamin ou Funchess. Benjamin teve seus momentos e houve oportunidades em que ele lutou. Eles vêem algo em Curtis Samuel e querem colocar essa seleção de segunda rodada em campo “.

Sobre Christian McCaffrey: “Eu sei muito sobre ele porque sei de onde ele veio. David Shaw (Treinador principal de Stanford) é um dos meus grandes amigos. Christian é como aquele filme “The Natural”. Com um grande jogador, você mostra o que fazer e ele faz a primeira vez perfeitamente, e faz isso em plena velocidade. Ele simplismente tem um estilo natural. Ele é extremamente talentoso. Ele tem essa paixão para ser ótimo. Eu acho que vamos ver esse cara “explodir” no segundo semestre – eu tenho essa sensação”.

Sobre o jogo corrido de Carolina: “Eles precisam bloquear melhor. Não se trata de Stewart e McCaffrey. Esta é uma gap-and-trap offense que pode esmagar você. Trai Turner é um Pro Bowl Guard. É preciso ver se Tyler Larsen pode levar seu jogo para outro nível. Matt Kalil pode alcançar outro nível? Daryl Williams *é uma boa*? E eles sentem falta de Olsen aqui. Eu acho que eles sentem muita falta dele.”
Sobre Julius Peppers: “Entrei aqui hoje, vi o Peppers e quase vomitei. Eu tive que ir ao banheiro. Eu tenho lembranças de *enfrentá-lo quando era Head Coach*. Nós tentamos atrapalhá-lo, tentamos empurrá-lo com tight ends. Então ele se alinhava contra o Guard. Na jogada seguinte ele se posicionava do outro lado. Logo eu pensei que haviam dois Peppers *em campo*. Fui treinador principal por 11 anos. O cara que mais “sackou” meus quarterbacks foi Peppers. “Quando John Fox (ex-treinador dos Panthers) o levou com a segunda escolha, fiquei louco por três semanas … Mas o que eu amo nisso tudo é que ele está de volta onde começou. Eles o amaram em Green Bay e em Chicago e eles o amam aqui. Perguntei aos jogadores. E seria legal se eles pudessem ganhar um campeonato para ele “.

Sobre a defesa de Carolina: “Quando ganhamos nosso campeonato, tivemos uma ótima defesa. Tinhamos o vapor no front, assim como eles aqui. Eles podem pressionar o Quarter Back (rush the passer). E eles possuem um grande esquema. Steve Wilks (Coordenador defensivo) fez um bom trabalho. E eles têm esses caras de quem ninguém fala. “Esse garoto Shaq Thompson? Ele é um coringa. Ele é um níquel, é um linebacker. Eu não sei o que diabos ele é. Ninguém fala sobre ele. Ele é um grande jogador. E eles contam com um cara chamado Mario Addison. Você deve colocá-lo na discussão para o Pro Bowl. “Mas o grupo todo joga com uma *enorme determinação* (esforço) e com uma energia tão grande. Tantos jogadores veteranos *de excelência* (confiáveis/blue-chip). Eles têm um enorme orgulho. Eles fazem mais jogos com *alto nível de competitividade* do que ninguém. Eles lideram a liga em *determinação*. Eu me importo com isso. Quando estou no meu quarto escuro em Tampa e estou assistindo os Panthers, fico excitado. Cara, eu estou gritando comigo mesmo, ‘Droga! Uau! Woo! “Entende?”
OBS: *identificamos com dois asteriscos, as partes em que houve interpretação de texto para contextualizar ou dar significado a tradução *

Deixamos aqui o link para o texto original:
http://www.panthers.com/news/article-2/Jon-Gruden-QA/d14f5cce-1503-4317-99d2-a0a294dc0282

 

Compartilhe

Sobre o Autor

Fã dos Panthers desde 2012, tem como ídolos Luke Kuchly, Thomas Davis e Cam Newton.

Comente