Fazendo scout da NFC South – Tampa Bay Buccaneers

0

O primeiro ano de Jameis Winston foi muito bom e trouxe alento aos torcedores de Tampa Bay, seu ratio de 4.1 TD/INT e suas 4000 jardas porém, não foi o fator mais comemorado, ficar longe de problemas off-field durante o ano de novato inteiro sim. A grande dúvida em cima de Winston no draft de 2015 era essa, mas aparentemente, parece que o signal caller de Tampa Bay entrou nos eixos.

Winston mostrou no primeiro ano que pode ser o franchise QB dos Bucs – o único time na NFC South que ainda não tinha encontrado o seu. Porém, Winston ainda tem muita coisa que evoluir e veremos se ele consegue desenvolver nessa temporada. Será que Winston irá melhorar sua mecânica? A velocidade de lançamento dele nunca foi rápida, ele precisa aprender a ler melhor quando o pocket desmancha, além da sua precisão. Veja abaixo um vídeo da NFL Breakdowns falando de algumas interceptações de Winston.

O sistema ofensivo aéreo de Tampa Bay é baseado em rotas verticais para aproveitar o tamanho de seus recebedores principais Mike Evans e Vincent Jackson, ficou em terceiro na liga em média de jardas por passe completo, ficando atrás apenas dos Cardinals e dos Panthers.

Mas para ter um jogo aéreo com esse conceito é necessário ter um jogo corrido sólido e é isso que eles tem com o RB Doug Martin. Na prática, se você tem um jogo corrido respeitável, os safeties terão que ficar mais próximos da linha de scrimmage e isso abre espaço pro passe longo. É por isso que os Bucs exigem que seus RBs e TEs sejam bons bloqueadores, pois pode ser uma corrida mas também pode ser um Max Protection para dar tempo de seus Wide’s completarem suas rotas, ainda mais com wide’s não tão velozes como Evans e Jackson. Tampa foi um dos times que mais utilizou de formações com 2 RBs e 1 TE ou até mesmo entrando com 6 jogadores de OL. Espere algum WR veloz no próximo draft de Tampa.

Pelo outro lado da bola, Vernon Hargreaves e Brent Grimes tentam ser a solução como cornerbacks, mas dois CB’s baixos em uma divisão que tem Devin Funchess, Julio Jones e Kelvin Benjamin talvez não seja a opção mais inteligente.

Nos linebackers, Tampa encontrou uma grata surpresa com Kwon Alexander, escolhido apenas na quarta rodada do Draft de 2015, um steal. Na free agency, foram atrás do veterano Daryl Smith que não vejo fazendo nada melhor do que apenas uma temporada comum e fechando o trio, Lavonte David precisa ser mais consistente no seu jogo, apesar de possuir muito potencial.

Na linha defensiva, Tampa foi atrás do veterano Robert Ayers na free agency e no Draft atrás do speed rusher Noah Spence. Na linha interior temos o fantástico Gerald McCoy e o comum Clinton McDonald. A profundidade de Tampa na DL é boa, mas o time titular nem tanto. Mas só de poder manter o nível no final do jogo, já é algo que a torcida deve comemorar, pois não existia isso na temporada passada. Espere Tampa sendo o grande adversário dos Panthers na temporada que vem se o trabalho continuar sendo bem feito.

Compartilhe

Sobre o Autor

Fã de Carolina Panthers desde 2011, Felipe é programador e se aventura como Running Back nas peladas tentando incorporar o espírito de Jonathan Stewart, mas o máximo que consegue é ser um Trent Richardson. Twitter: @lipevieira

Comente