[História] Charles Johnson

0

Uma das grandes notícias dessa offseason foi dada no dia 08/03, o retorno de Charles Johnson para Charlotte(mais informações aqui). O salário “humilde” aceito por CJ despertou a alegria em grande parte da Panther Nation. Baseado nessa alegria(que também inclui este que vos escreve), traremos um pouco mais da história desse grande pass rusher.

Charles Johnson nasceu em Hawkinsville, Georgia. Cursou o ensino médio na escola que levava o nome da cidade. Lá ele foi estrela de 3 esportes: Futebol americano, Basquete e Atletismo. Atuando como Defensive End recebeu menção honrosa de Class A All-State e All-Area(algo como estar entre os melhores do estado e daquela região), isso ainda no seu penúltimo ano. Em seu último ano, conseguiu 30 pressões no QB adversário culminando em 16 sacks. Esses números certamente ajudaram sua equipe a chegar na final estadual, onde CJ teve um pick-six de 83 jardas(retorno de INT para TD). Ainda antes da universidade ele recebeu o convite para participar do GACA North/South All-Star game(jogo que reúne os melhores jogadores do ensino médio da Georgia). Colocado com quarto melhor prospecto da sua posição pela Rivals, recebeu diversos convites, mas acabou optando por aceitar a bolsa da Universidade da Georgia.

cj1

Com os Bulldogs, CJ jogou 35 jogos, mas se tornou titular apenas no seu ano de Junior(terceiro ano), tendo seus 13 jogos como starter nesse período. Nos dois primeiros anos, participou bem da rotação tendo ação no campo em 22 jogos. Totalizou nesse período 29 tackles, 32 pressões, 5 sacks, 2 Fumbles Forçados e 2 Fumbles Recuperados, tendo destaque o TD marcado contra Louisiana-Monroe, no seu segundo ano, quando recuperou um fumble dentro da end zone. Nomeado titular no seu terceiro ano liderou a Georgia com 9.5 sacks, ficando em terceiro na SEC. Além disso, se tornou o primeiro defensive lineman da história dos bulldogs a liderar nas estatísticas de passes desviados, com 10. Ademais contabilizou 44 tackles 4 FF, 1 FR e 1 safety. Esses números o levaram a ser escolhido para o Second-team All-SEC. No seus 3 anos totalizou 14.5 sacks, colocando o mesmo em 10º na história dos Bulldogs. Após seu ano de Junior, ele se declarou elegível para o draft, o que levou aos scouts a declará-lo como 3º ou 4º melhor DE sendo previsto a sua saída no final do 1º round ou no 2º. Sendo assim, os Panthers foram aplaudidos quando conseguiram pegar um valor tão bom apenas na 83ª escolha no terceiro round.

cj5Nos seus 3 primeiros anos foi apenas um jogador de rotação e dos Special Teams tendo apenas 5 jogos como titulares. Nesse período totalizou 52 tackles, 10 sacks e 10 passes desviados, tendo destaque seu ano de 2008 com 7 passes desviados e seu primeiro jogo com mais de 1 sack, contra os Cardinals de Kurt Warner. Com a saída de Julius Peppers, finalmente ele recebeu sua oportunidade como titular e não decepcionou. No seu último ano de contrato conseguiu o que todo jogador sonha, ter a sua melhor temporada. Conseguiu 11.5 sacks(se tornando apenas o quinto jogador, até ali, a conseguir mais de 10), 27 pressões e foi o maior tackleador da linha defensiva com 73. De destaque nessa temporada foram seus jogos de multi-sacks contra Cleveland e Pittsburgh. Então após essa temporada, Matt Hurney fez a maior burrice da sua gestão e assinou um contrato gigantesco de 72 Milhões para 6 temporadas, com 32 Mi garantidos. Naquele momento a mídia chamava CJ de “Big Money” pois ele foi o jogador com maior lucro na liga em 2011, recebendo algo em torno de 30 milhões de dólares(de acordo com a ESPN magazine).

Então em 2011 CJ tinha que provar o valor que lhe foi concedido e novamente não decepcionou. Teve um início de temporada sobre-humano com 7 sacks nos 8 primeiros jogos. Acabou o ano liderando a equipe pela segunda vez consecutiva com 9 sacks, tendo ainda 39 tackles, 1 FF e 2 passes defendidos.
Mas seu alto salário nunca transpareceu nas atitudes de CJ, ao contrário de companheiros, como Greg Hardy, ele sempre foi um “cara tranquilo da zona rural da Georgia” como ele mesmo gostava de dizer. Sempre foi o cara que liderava pelo exemplo, pelo trabalho, nunca se esperava ver grandes discursos, à lá Ray Lewis, mas pode-se esperar um cara que dava duro todos os dias nos campos de treino. E com essa dedicação ele acabou recebendo a honra de Capitão na temporada de 2012, e comentou “Eu sempre soube que liderava com minhas ações em campo. Agora que é oficial, vou tentar melhorar minha oratória e continuar impulsionando todo o time, a crescer como defesa” .

Na temporada de 2012, o mais novo capitão caminhou para, possivelmente, sua melhor temporada na NFL, na qual estabeleceu seu recorde pessoal com 12.5 sacks(se tornando o terceiro jogador da franquia a alcançar mais de 9 sacks em 3 temporadas seguidas) e ficando em segundo na liga em Fumbles Forçados com 7. Além disso, conseguiu 23 pressões no QB adversários, 46 tackles, 1 FR e 3 passes defendidos, esses números auxiliaram a manter a defesa de Carolina como 10ª na liga. Como destaque teve seu jogo contra Atlanta, no qual estabeleceu recorde de sacks em um jogo até aquele momento(3.5) e igualou seu recorde pessoal de 7 tackles, contra Broncos, no qual teve um strip sack(sack seguido de fumble forçado) e provocou um Fumble no tackle em cima do RB McGahee. Pra finalizar no segundo jogo contra New Orleans conseguiu 2 sacks no Brees, o que lhe proporcionou se tornar o terceiro maior sackador da história da franquia, passando Kevin Greene.

Cj 3No ano seguinte(2013), acabou ficando inativo em 2 partidas, mas não rebaixou seus números. Terminou a temporada com 11 sacks(se tornando o ÚNICO jogador da história de Charlotte a ter mais de 9 sacks em 4 temporadas seguidas), 33 tackles, 1 FF e 1 FR, números estes que o levaram a ser um dos membros mais importantes da unidade que ficou em segundo lugar geral entre as defesas da liga e que liderou a NFL em sacks. Destacou-se frente a Seattle, provocando um Fumble na Redzone e no segundo jogo frente à Atlanta, quando provocou 2 sacks contribuindo para o recorde da franquia em um jogo, quando a unidade conseguiu 9 sacks.

Após a suspensão de Greg Hardy em 2014, a responsabilidade toda se voltou para CJ, e apesar da leve queda, ainda manteve a liderança em sacks na equipe com 8.5 sacks(números que o levaram a se tornar o SEGUNDO maior sackador da história da franquia com 62.5) e forçou 3 fumbles(que o levaram a ser o segundo maior jogador a forçar fumbles na história dos Panthers). Além disso registrou 43 tackles, 1 FR e 2 passes defendidos, ajudando a unidade defensiva a terminar no top 10 pelo terceiro ano consecutivo. Como destaque teve os jogos contra: os Packers, seu 100º jogo onde conseguiu um sack e um Fumble Forçado no Lacy, os Seahawks, no qual registrou o recorde de tackles com 8. Nos playoffs contra os Cardinals, conseguiu 2 sacks ajudando a defesa que detém o recorde de menos jardas cedidas nos playoffs, apenas 78.

Em 2015 teve uma temporada pífia, talvez atrapalhada pela sua lesão sofrida na região da coxa no jogo contra os Saints, que acarretou na sua ida pra Injured Reserve, deixando-o sem jogo até a semana 12. Mesmo após sua volta não nos relembrou dos seus melhores momentos, registrando apenas 1 sack, 12 tackles. Teve flashes durante os playoffs no qual registrou sack em todas as partidas, inclusive no SB 50 que ainda teve 4 tackles.

Como curiosidade, hoje em dia a fundação do CJ atua na cidade em que nasceu realizando, entre outras atividades, um camp pra auxiliar possíveis jogadores de futebol americano. Veja o video abaixo:


Para a temporada de 2016 era certo o corte de CJ devido ao déficit grande ao Salary Cap, mais informações aqui. Porém, graças à vontade de CJ de ainda ajudar os Panthers e um toque de milagre de Gettleman ele ficará conosco pelo menos mais um ano(mais detalhes no link do início do post). Nesse ano que está por vir, esperamos que ele se mantenha livre de lesões para nos proporcionar toda sua agressividade já demonstrada tantas vezes para que, assim, ajude a franquia à chegar no Super Bowl 51.

Compartilhe

Sobre o Autor

Estudante de Engenharia Civil, se tornou fã dos Panthers a partir da temporada de 2011, após se impressionar com as atuações do então calouro Cam Newton, o que levou a paixão pela franquia de Carolina.

Comente