[História] Thomas Davis

0

Alguns olham para o joelho direito de Thomas Davis e acabam vendo muitas(muitas mesmo) cicatrizes, mas na verdade devemos olhar para aquilo e ver um verdadeiro milagre. Ele provavelmente é o unico atleta de alto nível, e certamente o único da NFL, a sofrer ruptura do ligamento cruzado do mesmo joelho três vezes e ainda assim conseguir retornar à sua atividade.

Vamos retomar essa história depois, mas voltaremos ao começo. Thomas Antonio Davis nasceu dia 22 de Março de 1983 em Shellman, Georgia. Cursou o ensino médio na Randolph-Clay High School em Cuthbert, Georgia. Acho que a única palavra que podia definir ele nessa época era versatilidade, Davis era basicamente a estrela do programa esportivo da escola, na qual ele era o destaque do futebol americano, basquete, baseball e atletismo. Se ainda acha pouco, apenas no futebol americano ele jogou de running back, quarterback, wide receiver, defensive end, defensive back, punter, kicker e retornador de chutes, ou seja, quase todas as posições que o jogo permite. No seu ultimo ano recebeu honras de All-State pelo The Atlanta Journal-Constitution e Georgia Sports Writers Association(GSWA) após correr para 1032 jardas e produzir 108 pontos para seu time na temporada regular. Davis foi considerado por muitos, naquela época, como o maior atleta já produzido na Georgia, mas graças ao pequeno tamanho de sua escola, ele não teve uma grande exposição nacional, sendo oferecido para ele apenas uma bolsa integral da Divisão I, ele aceitou e foi cursar a faculdade que possui o mesmo nome de seu estado.

Com os Bulldogs da Georgia, Davis jogou de 2002 a 2004. Mostrando sua versatilidade ainda no nível universitário, jogou de Linebacker e Free Safety durante sua passagem. Ajudou ao seu time a ter 10 ou mais vitórias durante seus 3 anos, além de ter ganhado os 3 bowls que jogou. No seu segundo ano(2003), já recebeu honras de second-team All-SEC, além disso recebeu um prêmio chamado Iron Man Award que é dado ao jogador que se apresenta todos os dias para o treino, nunca se atrasa e eleva seu nível todos os dias(já mostrando sua resiliência que nos agrada tanto). Na sua terceira e última temporada(2004), liderou o time pela segunda vez seguida em tackles com 81, gerou 3 sacks, 3 fumbles forçados e 1 interceptação. Foi semifinalista do Bednarik Award(dado ao melhor defensor da NCAA) e conseguiu 8 tackles, 2 sacks e 1 FF contra o Wisconsin no Outback Bowl. Terminou sua carreira na Universidade da Georgia com o diploma em “Consumer Economics” e com números estrondosos, totalizando 272 tackles, 10.5 sacks e 3 interceptações.
Ainda como junior se declarou elegível para o draft de 2005 da NFL. Como Michael Vick vinha aterrorizando a NFC South com sua ameaça aérea e terrestre gerindo o ataque dos Falcons, os Panthers viram em Davis a oportunidade perfeita de anular essa ameaça. Um Safety com força de Linebacker ou Linebacker com velocidade de Safety, não se sabia ao certo, mas a franquia da Carolina do Norte não pensou duas vezes e draftou Thomas Davis na 14ª posição da primeira rodada, onde ele ainda foi declarado como Safety. Algo que não durou muito, os Panthers converteram ele para a posição de Linebacker ainda no seu ano de calouro. E essa mudança gerou imediatamente a vacina que era necessária para anular a ameaça de Vick, quando no dia 4 de dezembro daquele ano ele foi usado basicamente como QB spy contra os Falcons. Naquele jogo, Vick teve apenas 171 jardas passadas e 27 corridas, sofrendo 2 INT e 4 sacks perdendo 27 jardas. Nessa primeira temporada, Davis só teve 1 jogo de titular e totalizou 38 tackles e 1.5 sacks.

Fumble no Hasselbeck e Pressão no Vick.

Fumble no Hasselbeck e Pressão no Vick.

Na temporada de 2006 foi nomeado titular como Outside Linebacker e começou 14 partidas das 16(ficando inativo em duas). Terminou a temporada regular com 96 tackles, 1.5 sacks, 11 pressões no QB adversário, 4 passes desviados e 1 fumble forçado. Sua performance ajudou aquela defesa a permitir apenas 3000 jardas aéreas, ficando em sétimo como defesa total e oitava em pontos cedidos por jogo, apenas 19. Na temporada de 2007 conseguiu iniciar todas as partidas da temporada, pela primeira vez na sua carreira. Totalizou nessa temporada com 85 tackles, 3 sacks, 10 pressões no QB, 6 passes defendidos, 1 INT, 2 FF(Fumble Forçado), 1 FR(Fumble Recuperado). Ajudou a defesa a permitir menos de 100 jardas corridas em 7 partidas. De destaque nessa temporada teve dois momentos: Provocou um Fumble em Hasselbeck contra o Seattle e teve sua primeira interceptação na carreira contra Tony Romo no último quarto. Na temporada de 2008 iniciou novamente os 16 jogos da temporada, conseguindo 136 tackles, sua primeira temporada com mais de 100 tackles, anotando dois dígitos nessa estatística em 5 jogos. Além disso, conseguiu 3.5 sacks, 2 FF e 1 FR. Entre os destaques de sua melhor temporada até aquele momento da sua carreira: ele liderou o time em tackles no quarto shutout(vitória com o placar adversário zerado), até aquele momento, contra os Chiefs, contra os Broncos(que tinha o segundo melhor ataque) conseguiu 9 tackles e 1 sack e no Divisional frente aos Cardinals conseguiu 9 tackles, com 1 para perda de jardas.

E então começou um período de pesadelo para Thomas Davis, sua família e toda Panther Nation. Vindo de sua melhor temporada, era considerado um dos pilares da defesa. E começou a temporada de 2009 muito bem, até o sétimo jogo conseguiu 71 tackles, 1.5 sacks, 6 pressões no QB, 3 passes defendidos e  2 INT. Até que ele sentiu o joelho direito no sétimo jogo, contra os Saints, no dia 10 de novembro foi colocado na Injured Reserve, estava oficialmente fora da temporada e com sua primeira ruptura do ligamento cruzado. Teoricamente recuperado dessa lesão, ele se apresentou para as atividades organizadas pelos Panthers ainda em Junho. Durante aqueles treinamentos, acabou tendo sua segunda ruptura do mesmo ligamento, do mesmo joelho. Retornar de duas lesões de ligamento já é dificil, mas algo que Thomas Davis conseguiu, e retornou aos gramados, na sua primeira semana contra os Cardinals recuperou um Fumble, porém contra os Packers na sua segunda partida, ele sente o joelho, o mesmo joelho, o mesmo ligamento, outra ruptura. É praticamente impossível um atleta se recuperar disso, ainda mais conseguir total recuperação e atuar em alto nível, algo que nunca aconteceu na NFL, mas Davis costumava a dizer na época que seria o primeiro e esperava inspirar outros com esse feito. Mesmo após perder 39 dos 48 jogos possíveis entre os anos de 2009 e 2011, mesmo após sofrer 3 rupturas em 3 anos, TD ainda acreditava na sua capacidade de jogar futebol americano. Sua esposa disse que ele frequentemente falava “Eu acredito que posso voltar, espero que os Panthers também acreditem”, para facilitar essa decisão do lado da franquia de Charlotte, em março de 2012 ele reestruturou seu contrato salvando cerca de 4 milhões no cap space.

Duo TD e Luke

Duo TD e Luke

Mantido pelos Panthers, TD entrava na temporada de 2012 inicialmente como um jogador de rotação, pois os Panthers contava com Jon Beason, recém-adquirido Luke Kuechly e jogadores como Jason Phillips e Jordan Senn tinham mostrado bons momentos na temporada passada. Mesmo assim, TD manteve a calma e continuou trabalhando, mantendo o espírito do Keep Pounding. A temporada começa com ele na reserva do time que tinha Luke e Beason como titulares. A sorte de Davis começou a virar quando o início de temporada de Beason se mostra fraco, não parecia com as atuações que levaram o mesmo ao Pro Bowl. Em determinado momento, Beason foi posto na Injured Reserve. Então a movimentação escolhida(e já demonstrada como mais certa) foi retornar Luke para sua posição de ofício e colocar Thomas ao seu lado como Starter. E assim teve início o Duo que tem nos encantado ao longo dos últimos anos e que ainda irão nos impressionar muito. Sendo titular em 12 jogos daquela temporada como Weakside Linebacker ele sacramentou seu retorno à NFL com força total, totalizando naquela temporada 118 tackles(ficando atrás apenas de Luke), 2 FF, 1 FR, 3 pressões no QB, 2 passes defendidos e 1 INT. Destacou-se nessa temporada: Contra os Bucs ele iguala seu recorde com 18 tackles em um único jogo e força um fumble de Doug Martin na linha de gol, Contra Atlanta ele intercepta Ryan no último quarto, sacramentando a vitória.
E após essa temporada estava claro, Thomas Davis estava de volta, com sua força, velocidade e intensidade antes celebrada pela Panther Nation. E com essas características ele veio para temporada de 2013. Iniciando os 16 jogos como Outside Linebacker ele conseguiu o recorde pessoal de 151 tackles nessa temporada, marcando sua terceira temporada com mais de 100 tackles. Além disso, contabilizou 4 sacks, 1 FF, 8 passes defendidos e 2 INT, sendo parte importante daquela defesa que ficou ranqueada em segundo lugar da liga. Conseguiu ainda nos Playoffs 9 tackles e 2 pressões no QB dos 49ers. Recebeu como honras naquela temporada: Jogador Defensivo da Semana na NFC na Semana 10 após sua performance contra Minnesota que produziu 10 tackles, 2 sacks, 1 pressão e 1 passe defendido. Ainda foi nomeado Jogador Defensivo do Mês da NFC em Novembro após contabilizar 38 tackles, 1 sack, 1 FF, 1 INT e ajudou ao 4-0 dos Panthers naquele mês. Como destaque ficou o recorde do jogo e da temporada de 17 tackles contra os Patriots e os 8 tackles feitos contra os Falcons que lhe colocaram como segundo jogador da história da franquia em tackles.
Iniciando 15 jogos da temporada de 2014, ele conseguiu sua terceira temporada seguida com mais de 100 tackles e quarta na sua carreira, com 129 tackles, conseguiu 10 ou mais tackles em 7 jogos e liderou essa estatística em 4 jogos. Além disso, contabilizou 9 pressões, 2.5 sacks, 2 FF, 1 FR e 5 passes defendidos. Como se não bastasse sua grandeza dentro de campo, seus feitos fora dele também foram reconhecidos com o Walter Payton Man of the Year, prêmio dado pelos trabalhos voluntários e caridades feitas pelo atleta, recebendo 25 mil para repassar para a instituição de sua opção. Até a quinta semana TD foi considerado pela Pro Football Focus(PFF) o melhor outside linebacker no 4-3. No nosso win or go home game contra os Falcons na última semana da temporada, ele retornou um Fumble pra 33 jardas, dando um bom início para a campanha que terminou com um Touchdown. Além disso, teve 7 tackles no jogo de Wild-card contra os Cardinals, declarado pela PFF como o melhor defensor daquela partida, muito graças às suas coberturas perfeitas contra o passe. Falando nisso, esteve entre os melhores LBs na proteção contra o passe, permitindo apenas 7.1 jardas por tentativa.

E finalmente, nessa ultima temporada, que foi acompanhada de perto pelo nosso site. Thomas Davis continuou sendo um jogador de destaque tanto dentro de campo com sua intensidade e habilidade, como fora, com sua liderança. Sabendo dessas característica Gettleman não perdeu tempo e renovou o contrato de TD por mais 2 anos, em Junho. Para relembrar suas performances sobrenaturaris, ele conseguiu 25 tackles, 1 INT e 1 FF em apenas 3 jogos. Na semana 6 conseguiu 8 tackles e 1 sack naquela vitória épica lá em Seattle. Contra os Eagles no Sunday Night conseguiu seu maior número na temporada com 13 tackles. Totalizando 105 tackles, 5.5 sacks(recorde pessoal) e 4 INT(recorde pessoal). Com esses números estrondosos e sua liderança/intensidade sendo vista todos os domingos, a honraria de Pro Bowler finalmente foi concedida à ele, algo muito dificil para outside LB do sistema 4-3, visto que os LB do 3-4 conseguem mais sacks e atraem mais atenção do público em geral. Além disso, foi considerado First-team All-Pro, algo semelhante à “seleção do campeonato”. Essas duas honrarias foram concedidas ao Davis com sua idade atual de 32 anos. Ainda bem, pois seria uma vergonha um jogador do calibre dele se aposentar sem essas eventuais honras. Além disso, ele recebeu o prêmio Bart Starr Award que pode ser lido aqui. Não podemos esquecer de sua grandiosidade nesses playoffs e como nos ajudou a chegar em mais um Super Bowl. Totalizou 18 tackles e recuperou o onside kick de Seattle. Lembrando que ele fraturou o braço na Final da NFC, mas se negou a ficar fora do SB 50, tendo uma recuperação relâmpago para estar em campo na Califórnia.

Recuperação do Onside Kick, Momento da lesão contra os Cardinals e Título da NFC.

Recuperação do Onside Kick, Momento da lesão contra os Cardinals e Título da NFC.

Com a conclusão esperamos deixar a Panther Nation a par dessa história grandiosa e inspiradora, que demonstra que qualquer pessoa pode conseguir sobrepor as dificuldades como TD fez e hoje está liderando nossa defesa com sua resiliência rumo ao SB 51. Além disso, fica nosso agradecimento por todos os serviços prestados e pelo que ainda será feito com a camisa dos Panthers.

Compartilhe

Sobre o Autor

Estudante de Engenharia Civil, se tornou fã dos Panthers a partir da temporada de 2011, após se impressionar com as atuações do então calouro Cam Newton, o que levou a paixão pela franquia de Carolina.

Comente