No dia mais insano de trocas, Panthers troca Kelvin Benjamin pro Bills

0

Geralmente o dia limite para trocas passa desapercebido, geralmente com uma ou duas trocas pequenas, mas não hoje. Hoje o dia foi muito movimentado começando com a troca do Jay Ajayi de Miami para Philadelphia por uma escolha de 4ª rodada. Mas o que realmente iria chocar os torcedores do Panthers era a troca que viria faltando 3 minutos para fechar o prazo: Kelvin Benjamin no Buffalo Bills.

Os Bills enviaram uma escolha de 3ª rodada e uma de 7ª rodada em troca do Kelvin Benjamin. Benjamin estava em seu penúltimo ano de contrato e iria receber 8.5 milhões de dólares ano que vem.

Pra muitos, essa troca foi um atestado da incapacidade do Panthers ou da jogada de toalha na temporada, eu não acredito nisso. Benjamin era um WR grande que jogava pequeno, não corria boas rotas e não era um jogador reconhecido por sua grande consciência de jogo e separei algumas jogadas para demonstrar isso.

BIG GUY WHO PLAYS SMALL

Kelvin Benjamin possui 6’5″ só que nunca soube utilizar corretamente seu tamanho. Muitas vezes vemos ele desistindo de rotas no meio e sendo fisicamente batido por jogadores menores do que ele. Até mesmo o CB Brent Grimes que possui 5’10” (cerca de 17cm a menos) já fez jogadas que sua fisicalidade venceu KB.

via GIPHY

Simplesmente desistindo de rotas que não deve desistir.

via GIPHY

Não usando seu corpo de escudo em rotas slants.

via GIPHY

A primeira você consegue defender que ele escorregou e isso acontece. Mas a segunda é indefensável.

via GIPHY

INTELIGÊNCIA EM CAMPO BAIXA

Todo mundo lembra que na semana passada ele fez uma recepção maravilhosa e em seguida ficou olhando pro placar se vangloriando da recepção e esqueceu de dar a bola pro árbitro posicionar e acabou nos custando três pontos antes do intervalo contra o Bucs. Isso não é de hoje, KB não é um jogador inteligente e costumeiramente erra as leituras da defesa.

Lembra dessa interceptação do Cam Newton contra o Eagles? Pois bem, essa é um dos exemplos da sua falta de inteligência em campo. KB está 1×1 com o CB, sem ajuda do Safety, ele precisava mudar a sua rota para uma GO, Newton viu isso, leu corretamente a defesa e lançou um passe que era pra ter nos deixado no mínimo na redzone, mas KB não leu a mesma coisa que Newton e correu uma post. Estatística na conta do Newton que ele não teve culpa.

via GIPHY

KB era grande parte do ataque em 2016 e 2017, o que tornaram seus números de jardas e touchdowns inflados, pois Newton sempre procura KB, independente do resultado. Em 2016 a maioria das interceptações do Newton são contabilizadas quando ele estava mirando KB. Em 2017, nos 5 primeiros jogos da temporada, KB só agarrou 14 passes em 34 lançamentos recepcionáveis na direção dele e na temporada passada e na temporada passada, KB foi o jogador que mais deixou de receber passes por culpa exclusivamente dele. Sim, mais que o Ginn e por muito. Ginn deixou de receber 21 passes enquanto KB errou em receber 34.

Benjamin é um WR que não consegue criar separação e sua fisicalidade é inconsistente, muitas vezes vemos ele fazendo recepções excelentes, mas não com a consistência que um WR1 exige. Ele pode ser um ótimo WR2, mas WR1 não. Na verdade, ele sendo um WR1 nesse nosso ataque pode até mesmo piorar o ataque por tudo que já expus acima. Nós vimos o que aconteceu em 2015 quando ele não estava, não é coincidência, apesar que 2015, Olsen teve um ano mágico que raramente terá de novo e que não temos uma ameaça vertical como era Ted Ginn.

Pelo menos a partir de agora não teremos mais dois recebedores grandes e lentos correndo rotas longas. Hurney deixou claro que isso foi pensado quando fez a troca: “Dois dos maiores motivos é ficar mais rápido em campo e ter uma maior variedade de habilidades.” disse Hurney. Ter Funchess e KB em campo ao mesmo tempo não é uma forma de ter uma variedade de habilidades. Os dois têm a mesma skill set e o Panthers escolheu ficar com o mais barato e mais novo.

Kelvin Benjamin, obrigado e boa sorte em Buffalo, ficaremos bem sem você.

Compartilhe

Sobre o Autor

Fã de Carolina Panthers desde 2011, Felipe é programador e se aventura como Running Back nas peladas tentando incorporar o espírito de Jonathan Stewart, mas o máximo que consegue é ser um Trent Richardson. Twitter: @lipevieira

Comente