O que mudou em um ano

0

Neste ponto da temporada passada, Carolina Panthers se preparava para enfrentar o Arizona Cardinals sem Carson Palmer no Wild Card. Foi um ano turbulento para os Panthers, que começou sem Steve Smith Sr., com muitas contusões na linha ofensiva, derrotas e até uma batida de carro que prejudicou as costelas de Cam Newton, mas mesmo com tantos contratempos, o time terminou com uma campanha 7-8-1, o bastante para vencer a divisão e garantir uma vaga nos Playoffs. O recorde mudou muito em um ano, mas qual foi a grande mudança que aconteceu para que o time que ficou abaixo dos 50% de aproveitamento em 2014 se tornasse essa máquina?
A defesa melhorou muito. A temporada de 2014 começou com toda a polêmica que cercava o Defensive End Greg Hardy, e Josh Norman, um dos melhores Corner Backs da NFL em 2015, só foi titular a partir da semana 8. Porém, não foi uma temporada ruim, considerando que foi a décima melhor defesa, que Luke Kuechly liderou a NFL em tackles e que ganhou o Butkus Award, prêmio dado para o melhor Linebacker do ano, mas mesmo tendo esse desempenho, a defesa de Carolina foi ainda melhor 2015, como pode ser visto no quadro.

Defesa 2014 2015
Total 10ª(339,8 jardas por jogo) 6ª(322,9 jardas por jogo)
Passe 11ª(227,8 jardas por jogo) 11ª(234,5 jardas por jogo)
Corrida 16ª(112 jardas por jogo) 4ª(88,4 jardas por jogo)

Os números melhoram muito, mas quem faz os números são os jogadores. O site Pro Football Focus tem um ranking (divido em Elite, Ótimo, Bom, Mediano, Abaixo da média, Ruim e Desconhecido), e ranqueou no início da temporada de 2014 que Thomas Davis e Luke Kuechly eram ótimos titulares; Charles Johnson, Kawann Short e Star Lotulelei eram bons titulares, e Josh Norman era abaixo da média. No início desta temporada, todos subiram um nível no ranking, o que faz dos dois Linebackers jogadores de elite, e depois da temporada que tiveram, podemos cravar que Josh Norman e Kawann Short também terão o mesmo reconhecimento. Isso mostra como o próprio elenco melhorou, aliado também a chegada de grandes jogadores como os veteranos Charles Tillman, Jared Allen, Cortland Finnegan e Kurt Coleman, um dos líderes de interceptações da NFL nessa temporada. A defesa doutrinou durante toda a temporada, mas e quanto ao ataque?

O ano começou mal, com a notícia da contusão de Kelvin Benjamin, calouro sensação que ultrapassou as mil jardas na sua temporada de estreia. Com isso, os quatro principais wide receivers dos Panthers se tornaram Ted Ginn Jr., Philly Brown, Devin Funchess e Jerricho Cotchery. Ainda bem que Cam Newton tem Greg Olsen… O WR1 é Ted Ginn, jogador que foi a nona escolha do draft de 2007 e que nunca teve uma temporada pra mais de mil jardas. Pra ajudar ainda mais o seu currículo, em 2012, Ginn jogou 13 partidas pelos 49ers e teve apenas duas recepções para 1 jarda. A falta de produção de Ted não é o seu único problema, também temos os drops. Nessa temporada já foram 10, o que faz dele o terceiro jogador da NFL com mais erros na temporada, porém, o curioso é que enquanto Ted Ginn tem 44 recepções na temporada, os jogadores com mais drops tem mais de 70 recepções. Kelvin Benjamin teve 10 drops na sua temporada de calouro e liderou a NFL, mas ele também teve 73 recepções para 1008 jardas, enquanto Ginn teve 44 recepções para 739 jardas. Em seguida vêm Philly Brown e Devin Funchess, que acabaram de começar suas carreiras e são grandes promessas para o futuro, principalmente Funchess, por causa de seu tamanho e velocidade. Por último, Jerricho Cotchery, veterano de doze temporadas e que só teve uma para mais de mil jardas. É um recebedor confiável, mas que está no fim da carreira. Para salvar esse elenco temos o Tight End Greg Olsen, que foi ao Pro Bowl pela segunda vez consecutiva e teve 77 recepções para 1104 jardas, de longe o melhor recebedor do time.

Enquanto o grupo de WRs piorou, o ataque terrestre mudou para melhor. Jonathan Stewart assumiu depois da saída de DeAngelo Williams, recordista da franquia em jardas e teve uma temporada excelente. Ele teria facilmente passado das mil jardas, porém, uma contusão no pé o deixou fora dos últimos jogos da temporada. Seu ano fez com que o ataque terrestre dos Panthers fosse de sétimo na temporada passada para segundo melhor da liga neste ano. Some isso a temporada sensacional de Cam Newton e temos o décimo primeiro melhor ataque da NFL. Mas, o que mais mudou de 2014 para 2015 no ataque dos Panthers que justifica essa melhora? A principal diferença esta num grupo de cinco jogadores que estão em campo em toda jogada.

Em 2014, os Panthers sofreram com sua linha ofensiva. Uma pesquisa realizada no site Bleacher Report mostrou que mais da metade dos torcedores estavam preocupados com a sua linha, e o ano que se seguiu provou que essa preocupação era verdadeira. Vamos falar de números para provar isso.

  • Foram mais de oito combinações diferentes para a linha ofensiva
  • Pro Football Focus ranqueou como a décima pior linha no início da temporada de 2014
  • No jogo da Semana 9 contra os Saints, quatro jogadores da linha ofensiva não tinham sido draftados. Carolina perdeu esse jogo, uma partida em que Jonathan Stewart correu para apenas 46 jardas.

A temporada de 2014 terminou com os Panthers ganhando quatro dos últimos cinco jogos e correndo para 975 jardas, marca que liderou a NFL nessas semanas. Carolina decidiu manter a mesma linha vindo para a temporada, com exceção na posição de Left Tackle. Onde antes era ocupado por Byron Bell, agora joga o famoso Michael Oher, que mesmo com todas as críticas sofridas, ainda é melhor que seu antecessor. Contusões não estão sendo um problema este ano, o que traz uma linha saudável e entrosada, liderada pelo veterano e que foi cinco vezes ao Pro Bowl Ryan Kalil.  Agora ranqueada como a quarta melhor linha ofensiva da NFL e com dois de seus jogadores indo para o Pro Bowl(Ryan Kalil e Trai Turner), esse grupo é provavelmente o maior responsável por essa reviravolta. Agora os running backs tem mais espaço para correrem e Cam Newton tem um pocket muito mais limpo do que na temporada passada, dando a ele muito mais tempo e espaço para trabalhar. Não precisa mostrar números para provar como Cam está jogando melhor este ano, basta apenas dizer que ele é o favorito a vencer o MVP.

Em meio a um time com Super Cam, Captain America(Luke Kuechly) e Batman(Josh Norman), cinco heróis espreitam nas sombras. Sua participação em toda jogada ofensiva é decisiva e basta que apenas um deles não cumpra seu papel para que o time perca jardas. Mas durante toda a temporada eles cumpriram seu papel bem, dando estabilidade na posição em que o time sofrera tanto no ano anterior. Sem essa estabilidade, o ataque não teria melhorado tanto, Cam Newton iria sofrer no pocket e provavelmente não seria candidato ao MVP. Os cinco cumpriram sua missão o ano inteiro em toda jogada de ataque, saindo de campo só em caso de contusão. Seus nomes não são muito mencionados, não recebem apelidos e as vezes ate esquecemos seus nomes, mas sem Michael Oher, Andrew Norwell, Ryan Kalil, Trai Turner e Mike Remmers é difícil de acreditar que Carolina teria o mesmo desempenho.

Compartilhe

Sobre o Autor

Gabriel Marques é um Belo Horizontino que teve seu primeiro contato com NFL em janeiro de 2012, em uma partida épica entre Steelers e Broncos. Depois desse jogo veio "The Catch III", final de conferência entre Ravens e Patriots decidida por um field goal errado e finalmente o Super Bowl XLVI. Hoje, Gabriel é um fã da NFL e decidiu começar a escrever pois planeja um dia trabalhar profissionalmente noticiando o futebol americano no Brasil.

Comente