[PÓS-JOGO] Bucs @ Panthers

0

Keep Pounding

Esse homem da imagem está sendo grosseiramente desrespeitado por cerca de 50 homens que compõe o roster da temporada de 2016. Fica evidente ao assistirmos um jogo dos Panthers que os jogadores, com raras exceções como Luke Kuechly, Greg Olsen e Andy Lee, podem suar um pouco mais no campo.

Sam Mills ficaria envergonhado em jogar num time que sobra talento e falta vontade. Isso porque, o espírito difundido por Mills, que baliza essa franquia, é aquele relativo à ideia de nunca desistir, de continuar martelando, assim como Mills fez quando descobriu o câncer que, após muita luta e resistência, tirou sua vida.

mikeshula

Se dos jogadores falta vontade, dos técnicos falta inteligência. Sobretudo desse senhorzinho acima que guarda, por detrás desse sorriso melífluo, uma das mentes mais estúpidas da liga. Uma criança tomaria decisões melhores que esse indivíduo, que nunca deveria ter sido promovido ao posto de coordenador ofensivo. Ficou claro nesses primeiros jogos da temporada que 2015 foi um ponto fora da curva. O bom e velho Shula está de volta, senhores!

Sean McDermott, por sua vez, que ao contrário de Shula é um bom técnico, não pode deixar de ser responsabilizado por esse início de temporada desastroso. A defesa dos Panthers tem sido uma das piores da liga.

Os defensive ends não conseguem fazer um sack sequer. Pasmem, Kyle Love, que está na sua segunda partida, tem mais sacks que qualquer jogador da linha defensiva e o líder de sacks do time é Tre Boston. Isso é inaceitável.

Os quarterbacks adversários tem tido todo o tempo do mundo para lançar e apenas em situações de blitz sofrem com um pouco de pressão. Não podemos deixar de citar Kawann Short, que quer receber fortunas e ainda não apareceu para a temporada, e Kony Ealy que tem sido um verdadeiro CONE!

Não tem cabimento uma linha defensiva com Kawann Short, Star Lotulelei, Paul Soliai, Kyle Love deixar um running back reserva fazer a festa como no jogo de ontem. A impressão que fica é que o time está sendo mal treinado.

A secundária, que já carece de qualidade em termos de material humano, sofre ainda mais com a falta de pass rush, batendo cabeça nas jogadas, confundindo formações, deixando jogadores completamente livres e errando tackles infantis.

Outro ponto a ser levado em consideração é a falta de disciplina do time, que é o líder da liga em turnovers cometidos e vice-líder em faltas. Inaceitável tamanha displicência! Ron Rivera tem batido na tecla de que precisamos melhorar tais quesitos porém nada parece estar sendo feito.

É bem verdade que as lesões têm atrapalhado muito, entretanto, com um ataque com tantas armas e uma defesa com tantos talentos, é dever dos técnicos realizarem um trabalho mais consistente para corrigir esses erros infantis e possibilitar uma recuperação na temporada.

DG

 

Igualmente, não podemos deixar de criticar nosso general manager, Dave Gettleman, que conseguiu nos levar ao Super Bowl, e ao mesmo tempo, consertar nosso salary cap, extremamente maltratado pela GM anterior.

Sua filosofia de privilegiar o draft e montar um time jovem, voltado para o futuro, é a mais correta. Da mesma maneira, sua mentalidade de pensar a longo prazo é admirável e a chamada “janela” para ganhar um Super Bowl é uma balela. Realizar bons drafts e manejar o cap com responsabilidade são os melhores caminho para o sucesso. Não existe prazo para ganhar quando o trabalho é bem feito.

Todavia, ainda assim, não temos como deixar de questionar algumas de suas decisões, sobretudo, em 2016. Fundamentalmente, duas delas têm nos custando caro: retirar a  franchise tag de Josh Norman e não draftar ou contratar nenhum DE minimamente decente para substituir Jared Allen.

A ausência de Norman é sentida tanto no campo técnico quanto no campo psicológico. O camisa 24 é um motivador por excelência e nunca aceitaria essa ausência de energia e firmeza que a defesa vem demonstrando.

Aparentemente, decisões desse tipo são as que mais abalam o locker room e prejudicam o time. Temos um exemplo semelhante com o corte de Steve Smith, ídolo da torcida e grande liderança no locker room, que quase nos custou a temporada de 2014. O pensamento a longo prazo é excelente, no entanto, não pode ser exagerado.

Por outro lado, o problema principal da defesa não decorre, ao contrário do que muitos pensam, da falta de qualidade da secundária. Como dito, a inexistência de pass rush é o cerne dos problemas defensivos e tem como principal causa o fato de Gettleman não ter adicionado um bom DE à rotação.

i

O jogo contra o Saints no domingo decidirá qual o futuro da franquia na temporada. Uma vitória nos dá uma bye week mais tranquila para corrigir os erros e voltar a brigar pela divisão contra os Falcons, que tendem a cair de produção. Uma derrota decreta o fim de uma temporada para esquecer.

Nem tudo está perdido, ainda.  Mais vontade e mais inteligência!  E torcida para Cam Newton, Michael Oher e Jonathan Stewart,  jogadores que têm feito muita falta, retornarem! Keep Pounding!

OBS: Graham Gano não tem mais condições de vestir a camisa dos Panthers. Fora Gano!

OBS2: Carolina é a única franquia que mantém no roster, e paga caro para isso, um FB que não bloqueia. Desde 2014 que a tal “bola de boliche humana” tem nos enganado.

Compartilhe

Sobre o Autor

Estudante de Direito, se tornou fã dos Panthers a partir da temporada de 2011, após se impressionar com as atuações do então calouro Cam Newton, o que levou a paixão pela franquia de Carolina.

Comente