Pós-jogo: Carolina Panthers @ New York Jets

0

Os Panthers foram visitar a cidade que nunca dorme e enfrentar o surpreendente New York Jets, em busca de mais uma vitória, a quarta seguida, e a oitava no ano, de olho na liderança da divisão.

O que no papel poderia ser um jogo tranquilo para os Panthers, na hora do” vamos ver” foi totalmente diferente. O ataque dos Jets, com seu “air raid offense”, conseguiu fazer 27 pontos na defesa dos Panthers que falhou bastante no confronto. A defesa dos Jets conseguiu parar Jonathan Stewart, que tinha feito uma partida incrível contra os Dolphins, e também fez um bom trabalho contra Cam Newton, o limitando a 11/28 passes e somente 168 jardas. Cam ficou devendo na partida, errando alvos livres de marcação por todo o campo e tornando a vida do ataque ainda mais complicada. Ele treinou com restrições na última semana, por conta de uma contusão em um dedo da mão direita, o que interfere diretamente nos passes tentados. Newton mostrou durante o jogo uma certa falta de confiança lançando a bola e não foi consistente, como era de se esperar de um QB com tal lesão.

Estatisticamente não foi um jogo bonito para o nosso ataque, até ontem liderávamos a NFL em eficiência em terceiras descidas com 47%, e no jogo de ontem ficamos em 3-14 nas terceiras descidas, aproximadamente 21% de sucesso. Nada bom. Grande parte desse péssimo desempenho se atribui a inconsistência de Newton, que contou com a “sorte” de Luke Kuechly e Kaelin Clay (“Quem diria, hein!”) responsáveis pelo retorno de duas jogadas para a end zone, fumble e punt respectivamente. Caso contrário, teríamos um final de jogo ainda mais tenso do que foi, pois não parecia que Cam iria ganhar o jogo pra nós.

Do outro lado da bola, a defesa também mostrou inconsistência. Fomos de “3 & outs” à dois touchdowns longos de Robby Anderson em uma velocidade preocupante. O WR de New York fez o que quis contra nossa defesa várias vezes e terminou o jogo com 6 recepções para 146 jardas e 2 touchdowns. É pra botar no DVD. Worley e Coleman não foram muito felizes no jogo. Worley cometeu algumas faltas que foram importantes nos drives de pontuação dos Jets e Coleman cedeu um dos dois touchdowns de Robby Anderson.

Foi uma atuação bem aquém do que mostramos nas ultimas três semanas, e temos de melhorar muito essa semana, para enfrentarmos o líder da NFC south, os Saints. Começando pelo ataque, não podemos ter a quantidade de 3-and-outs que tivemos, principalmente como foi no primeiro tempo, onde computamos cinco. Na defesa, Steve Wilks mandou um tanto mal, chamando muitas blitz contra um ataque recheado de recebedores em campo. Josh McCown queimou as “blitzes” com frequência, já que seus recebedores estavam no mano a mano com a secundária dos Panthers e conseguiram construir big plays em vários drives. Outro fator que não podemos repetir na semana que vem são as faltas, foram 10 faltas para 84 jardas, e na semana que vem, temos que ser perfeitos nesse quesito, pois iremos enfrentar uma equipe muito mais qualificada.

Apesar de tudo, conseguimos uma vitória importante para a reta final da disputada NFC. Caso tivéssemos perdido, empataríamos com os Falcons (7-4) e continuaríamos um jogo na frente dos Saints, porém, fomos a 8-3 e empatamos com os Saints, que perderam seu jogo contra os Rams. Então, cabe a nós viajarmos a New Orleans e virar o número 1 da NFC.

Contusões

Esse jogo contra os Jets ficaria marcado como o retorno de Greg Olsen e Ryan Kalil ao time. Porém, Kalil não entrou em nenhum snap na partida e Olsen saiu do jogo no terceiro quarto sentido a lesão no pé, que segundo Ron Rivera, foi apenas um incômodo e eles decidiram o tirar de jogo para não forçar a contusão.

No primeiro jogo pós bye dos Panthers, alguns jogadores sentiram contusões no final da partida, entre eles, 3 titulares. Funchess, Thomas Davis e Worley. Ainda não temos atualizações sobre a situação deles, mas precisaremos de todos saudáveis para semana que vem.

MVP’s

Luke Kuechly

Claro que tínhamos que começar com ele. Mais um jogo em que vemos a prova de que temos o melhor ILB da liga no nosso time. Não só pelo touchdown que mudou totalmente o jogo, mas sim pelo “conjunto da obra”, seus 9 tackles e NENHUMA recepção cedida no jogo todo. Sim, nenhuma! De longe o cara do jogo, mais uma vez, e o cara que mudou a partida a favor dos Panthers, retornando um fumble forçado por Wes Horton (“Quem diria?” 2) no último quarto, quando perdíamos por 20×18.

game of the day

Acima está a jogada da partida. O fumble forçado por Wes Horton, e Luke recuperando a bola e voando para a end zone aos gritos enlouquecidos no estádio… “LUUUUUUUKE!”.

Devin Funchess

Precisamos falar do quanto esse garoto é bom. Newton teve 168 jardas de passe ontem, 108 dessas foram para Funchess.  Falávamos que ele precisava dar um passo grande à frente nesse ataque, não só pela troca de KB, mas também agora, pela contusão de Curtis Samuel, e Funchess está evoluindo e correspondendo. Em 12 targets, ele desceu com 7 recepções, e algumas delas, com passes bem “meia boca” de Newton e nos quais ele “se virou” para receber.

Funchess is MY GUY

Quem achar uma recepção do Kelvin Benjamin igual a essa ganha um beijo! Funchess tem noção de que o passe não foi bom e que tem um CB doidinho pra no mínimo desviar esse passe atrás dele. O que Fun faz? Adapta a sua rota pra chegar na bola primeiro que o CB. Resultado? First down gigantesco para os Panthers! #WR1

BIG FUNCHESS

MONEY!

Nos últimos três jogos dos Panthers, (Falcons, Dolphins e Jets), Funchesse teve 17 recepções, 287 jardas e 2 touchdowns. Sendo que em dois desses três jogos, Kelvin Benjamin não estava em campo. In Funchess we trust!

Christian McCaffrey

CMC fez um bom jogo contra os Jets, mas não foi tão mencionado assim. Em 9 toques na bola (correndo ou recebendo) CMC conseguiu 97 jardas, com uma boa média por jogada, em outra partida que Stewart não apareceu, CMC foi melhor do que o RB1 dos Panthers.

CMC 40 yards run

Corrida mais longa da carreira de CMC na NFL. 40 jardas de paciência e explosão. Ainda acho que se ele não cortasse para a esquerda ele faria o touchdown, mas ainda assim, valeu a baita corrida. Vale ressaltar os belos bloqueios de #69 Tyler Larsen e principalmente de #68 Andrew Norwell, que teve uma excelente partida.

Menções Honrosas

  • LG Andrew Norwell
  • Kawann Short
  • RT Daryl Williams (não cedeu, hit, hurrie ou sack)
  • Edges Mario Addison e Jullius Peppers (1.0 sack pra cada)
  • Wes Horton (strip sack que mudou a partida)
  • Kaelin Clay (retorno de 60 jardas de punt, primeiro dos Panthers desde 2014)

Not MVP’s

Cam Newton

Cam teve uma partida pra esquecer. Muito impreciso e inconsistente, botou o jogo em risco em alguns pontos. Como já dito, ele treinou com dores no dedão da mão direita durante a semana. Cam sentiu essa lesão após um hit contra os dolphins no MNF há duas semanas, e justamente por isso, seus passes não foram a maior maravilha do mundo. Alguns pareciam flutuar demais, outros foram totalmente fora da direção e em alguns casos os recebedores estavam totalmente livres.

Cam errando Olsen sozinho

Esse é um passe para touchdown certo. Olsen no meio dos jogadores dos Jets e o passe vem aberto demais. Em boas condições físicas, Cam Newton dificilmente erraria esse passe.

Cam foi salvo por três jogadores na partida: Wes Horton, que forçou o fumble de McCown; Luke Kuechly, que recuperou a bola e a levou para a “end zone” e Kaelin Clay, responsável pelo retorno de punt para touchdown. Caso contrário, provavelmente iríamos sair de New York com uma dolorosa derrota, pois Newton dificilmente viraria o jogo nas condições em que estava.

Rivera confirmou que Cam sentia dores e jogou lesionado. O técnico inclusive atribuiu a tal situação os lançamentos bizarros de Newton. O camiosa #1 deve participar dos treinos ainda com restrições essa semana, e esperamos que esteja sem dores no próximo jogo.

Kurt Coleman

Coleman entrou para essa listinha pelo touchdown cedido para Robby Anderson. McCown saiu do pocket pra ganhar um tempo e Anderson conseguiu se livrar de Coleman, improvisando a rota para um touchdown de 54 jardas. O QB dos Jets ainda cantou a jogada antes de executá-la.

TD 2 robby anderson

Em fração de segundos, Anderson se livra de Coleman e marca seu segundo touchdown da partida.

Daryl Worley

Worley está mostrando ser um jogador muito inconsistente e isso ficou evidente contra os Jets. Ele vai de um incrível passe desviado a uma falta ridícula e uma recepção cedida em poucos snaps. Foram duas faltas nesse jogo, uma por interferência no passe, e outra por uso ilegal das mãos, essa última foi totalmente desnecessária e anulou uma boa jogada da defesa. Ele ainda não provou ser um jogador confiável, e por isso, dividiu snaps com um jogador considerado inferior a ele, Kevon Seymour.

Worley é jovem ainda e tem espaço e qualidades para melhorar, cabe a ele buscar essa evolução.

Conclusão

Não foi uma das vitórias mais bonitas da história desse planeta, muito pelo contrário, mas o que importa agora é que foi mais uma vitória no record, principalmente nessa rodada em que o rival de divisão (Saints) perdeu seu confronto.

Temos que melhorar algumas coisas para bater de frente com os Saints semana que vem, em New Orleans, e ganhar. Essa é a primeira final do ano, já que os dois times estão com o mesmo record e já estamos quase no final da temporada. Tem todos os ingredientes para ser um dos melhores jogos do ano.

O jogo será transmitido pela ESPN às 19:25 de domingo. #KeepPounding

Compartilhe

Sobre o Autor

Fã do Carolina Panthers desde 2011, João Marcelo começou a se aventurar no mundo de matérias dos Panthers em 2014 onde criou um blog exclusivo dos Panthers. Tem como ídolo Luke Kuechly e espera que ele vire o próximo Ray Lewis.

Comente